O que é Censo e pra quê serve?

Censo

Por Débora Lira

O processo de coleta e análise de dados é fundamental para formular serviços e desenhar políticas públicas: é através dele que conhecemos a população ou os grupos sociais que queremos atingir.

Existe uma variedade de métodos que podem ser utilizados nesse processo. Métodos quantitativos são amplamente adotados porque permitem a observação de diferenças e padrões estatísticos em grandes bancos de dados que pode conter, por exemplo, informação sobre pessoas ou outros processos. Neste campo, dois tipos de pesquisa bastante populares: pesquisas de censo e pesquisas amostrais.

O que é o censo e a pesquisa amostral?

O censo é um tipo de pesquisa onde todos os indivíduos de uma população-alvo são entrevistados. O objetivo do censo é adquirir informação profunda sobre toda a população, diminuindo ao máximo a margem de erro da pesquisa (o quanto os dados coletados se diferenciam da realidade). Um importante exemplo é o Censo Demográfico, realizado pelo IBGE a cada 10 anos para coletar informações sobre as condições de vida da população em todos os municípios brasileiros.

Censo

Já pesquisas amostrais são aquelas onde apenas uma parcela da população-alvo é entrevistada, sendo essa parcela definida como a amostra da pesquisa. Nesta categoria, os(as) pesquisadores(as) precisam se preocupar com fatores como tamanho da amostra e intervalo de confiança, por exemplo, para minimizar a margem de erro da pesquisa e torná-la o mais confiável possível.

A Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar Contínua (PNAD Contínua) é também um exemplo famoso de pesquisa amostral. Ela é conduzida pelo IBGE para obter informação sobre as flutuações e evoluções da força de trabalho e outras informações necessárias para o estudo do desenvolvimento socioeconômico do país.

Vantagens e desvantagens

Tanto o censo quanto a pesquisa amostral buscam quantificar e mensurar fenômenos sociais. Ambos são boas alternativas de pesquisa, mas é importante também estar atento(a) às vantagens e desvantagens de cada um.

Como citado anteriormente, a capacidade dos dados de representar a realidade é uma questão importante na hora de pensar nesses dois tipos de pesquisa. O censo tende a contar com uma maior capacidade de representar a realidade porque entrevista todas as pessoas que compõem a população-alvo. Já as pesquisas amostrais precisam contar com um pouco mais de cuidado nas elaborações das suas amostras, uma vez que estão representando apenas uma parcela da população-alvo. Assim, é importante considerar pontos como taxa de não resposta, vieses de seleção, e erros de cobertura.

Outra diferença fundamental está relacionada ao custo de realização. O censo entrevista todas as pessoas da população-alvo, sendo então um tipo de pesquisa altamente custosa em termos de recursos financeiros e humanos: é necessário muito dinheiro e pessoas para realizar as entrevistas. Além disso, o censo também leva um tempo considerável para ser realizado, devido à quantidade de entrevistados.

Esse é na verdade um dos motivos principais para o surgimento de pesquisas amostrais. Em muitos casos, não há recursos nem tempo suficiente para entrevistar toda a população-alvo. Ao invés disso, entrevistamos uma parcela da população (amostra) através da qual podemos, até certo ponto, propor algumas generalizações para a população-alvo investigada.

Censo da Advocacia Pernambucana

Saiba um pouco mais sobre o Censo da Advocacia Pernambucana que está sendo realizado pela OXY.SOCIAL para a OAB-PE: clique aqui.

Referências

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/25089-censo-1991-6.html?=&t=o-que-e>. Acesso em: 28 jun. 2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). PNAD Contínua – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/habitacao/17270-pnad-continua.html?=&t=o-que-e. Acesso em: 28 jun. 2021.

OXY.SOCIAL realiza 1º Censo da Advocacia Pernambucana

OXY.SOCIAL realiza 1º Censo da Advocacia Pernambucana |

A OAB-PE, juntamente com a Caixa de Assistência dos Advogados de Pernambuco (Caape), irá promover o primeiro censo da advocacia pernambucana. O termo para iniciar os trabalhos foi assinado nesta sexta-feira (30/04) com as presenças do presidente da OAB-PE, Bruno Baptista, do presidente da Caape, Fernando Ribeiro Lins, e a diretora da Caape Juliane Lima. O recenseamento vai colher e analisar dados que vão permitir conhecer o perfil e as necessidades dos advogados e advogadas ligados à seccional.

As informações serão coletadas pela empresa contratada Oxy.Social, utilizando as medidas de segurança, garantindo a confidencialidade dos dados pessoais.

O presidente da OAB-PE, Bruno Baptista, destacou a importância do ato. “Esse censo da advocacia pernambucana vai nos permitir conhecer melhor todos os nossos advogadas e advogados, possibilitando a construção de políticas mais específicas para cada segmento”.

Para o presidente da Caape, Fernando Ribeiro Lins, esse é um momento histórico para a advocacia. “É uma imensa satisfação para a CAAPE participar desse ato, juntamente com a OAB-PE. Sabendo o quanto essas ações são importantes para valorizar cada vez mais nossos advogados e advogadas.”

Segundo Rafael Sales, sócio da empresa e coordenador responsável pela pesquisa, a metodologia aplicada seguirá os dispositivos da Lei Geral de Proteção de Dados, além de outras normas aplicáveis. “Nosso trabalho de pesquisa segue sempre rigorosos processos metodológicos para garantir a fidedignidade dos dados, bem como o sigilo e a confidencialidade dos dados pessoais dos respondentes. Todas as informações serão utilizadas para fins exclusivamente de pesquisa e, a partir da análise, subsidiar a melhoria dos serviços prestados pela OAB-PE a seus associados”.

No ato de assinatura, também esteve presente a secretária da Comissão de Igualdade Racial da seccional, Débora Gonçalves.

Segundo Juliane Lima, a Caape já vinha realizando trabalhos de pesquisas direcionados a temáticas sociais, e a assinatura só veio reforçar, de forma simbólica, este compromisso. “Hoje, através desse ato simbólico de assinatura, faço um convite a todos os advogados e advogadas que participem do censo, um momento muito importante para conhecermos mais a fundo a realidade socioeconômica de todos que atuam na classe”.

Fonte: OAB-PE