5 coisas que COVID-19 nos ensinou sobre desigualdade

5 coisas que COVID-19 nos ensinou sobre desigualdade | Inteligência Social para o Desenvolvimento Sustentável

A pandemia COVID-19 colocou em relevo as desigualdades socioeconômicas. Do acesso à saúde e espaços verdes, ao trabalho e educação, aqui estão cinco áreas da sociedade onde o coronavírus mostrou disparidades reais.

1. Acesso a espaços verdes

Estudos têm demonstrado o benefício dos espaços verdes para nossa saúde mental e física . E, com milhões em várias formas de bloqueio, o acesso desigual a esses espaços se tornou um tema importante.

Uma pesquisa recente na África do Sul mostrou que os bairros ‘brancos’ estão 700m mais próximos dos parques públicos e têm 12% mais cobertura de árvores do que as áreas com residentes predominantemente negros.

Enquanto isso, um estudo de 2017 na Alemanha destacou as desigualdades no acesso a espaços verdes urbanos em relação a renda, idade, educação e número de crianças nas famílias.

E um estudo de 2010 verificou-se que as enfermarias mais carentes no Reino Unido tinham, em média, apenas um quinto da área de espaço verde disponível para as enfermarias mais ricas.

2. Acesso e resultados de saúde

A pandemia destacou as desigualdades no acesso a cuidados de saúde e resultados de saúde para diferentes grupos.

Pesquisas na Europa mostraram que, mesmo em sistemas de saúde comparativamente bem desenvolvidos, persiste a desigualdade no acesso aos serviços de saúde. Um relatório de 2018 da Comissão Europeia  afirma: “os quintis de rendimentos mais baixos estão entre os grupos mais desfavorecidos em termos de acesso efetivo aos cuidados de saúde”.

O relatório destaca questões como gênero, raça e situação de residência, com mulheres e migrantes enfrentando dificuldades específicas.

A sindemia de COVID-19, doenças não transmissíveis (DCNT) e os determinantes sociais da saúde (adaptado de Singer e Dahlgren e Whitehead).
Os determinantes sociais da saúde. Imagem: Journal of Epidemiology & Community Health, adaptado de Singer e Dahlgren e Whitehead

Significativamente, a pandemia destacou o impacto das condições socioeconômicas sobre a saúde. Como explica a Organização Mundial de Saúde , “há ampla evidência de que fatores sociais, incluindo educação, situação de emprego, nível de renda, gênero e etnia têm uma influência marcante sobre o quão saudável uma pessoa é”.

pesquisas iniciais no Reino Unido , por exemplo, mostraram que grupos étnicos minoritários foram afetados de forma desproporcional pelo COVID-19. Um padrão semelhante também surgiu nos Estados Unidos .

Essas disparidades dentro dos países somam-se às desigualdades que existem entre os países. Por exemplo , 95% das mortes por tuberculose ocorrem no mundo em desenvolvimento e a expectativa de vida global pode variar em até 34 anos.

Oitenta e sete por cento das mortes prematuras devido a doenças não transmissíveis (DNTs) ocorrem em países de baixa e média renda . E, em muitos desses países, o custo dessas doenças leva as pessoas à pobreza, prejudicando o desenvolvimento e exacerbando os problemas de saúde.

Para obter mais informações sobre a pandemia COVID-19 e as desigualdades na saúde, leia este ensaio no Journal of Epidemiology & Community Health .

3. A exclusão digital

Milhões de trabalhadores e crianças em idade escolar foram mandados para casa, forçados a trabalhar remotamente por bloqueios e regras de distanciamento social.

Mas, isso destacou lacunas no acesso à tecnologia e à internet.

acesso à internet, conectividade, divisão digital
A imagem global.Imagem: Visual Capitalist

Por exemplo, cerca de 50% das pessoas (ou seja, mais de 600 milhões de indivíduos) na Índia não têm acesso à Internet .

E em muitos países africanos, a porcentagem é muito maior. Para esses milhões de pessoas, o trabalho remoto ou a educação são pouco mais do que uma fantasia. Na Índia, as aulas foram ministradas por alto-falantes em algumas áreas rurais.

E também há uma disparidade significativa dentro dos países. Tome os EUA por exemplo, onde as diferenças persistem ao longo de renda, idade, raça e linhas urbano / rural. Por exemplo, de acordo com o Pew Research Center , 15% dos adultos nas áreas rurais dizem que não usam a internet, em comparação com 9% nas áreas urbanas. Enquanto isso, 8% dos brancos dizem o mesmo, em comparação com 15% dos negros.

These Indian teachers found an innovative way to keep pupils learning during coronavirus lockdowns

Teaching with a twist. 📕 Read more: https://bit.ly/3i5qkFe

Posted by World Economic Forum on Thursday, 6 August 2020

E o COVID-19 exacerbou isso. Os pais com rendas mais baixas eram muito mais propensos do que aqueles com rendas mais altas a dizer que seus filhos enfrentarão ‘obstáculos digitais’ durante a pandemia.

Bloqueio educacional nos EUA Divisão digital nos Estados Unidos, tecnologia de lição de casa, internet
As divisões ao longo das linhas de renda persistem nos EUA.Imagem: Pew Research Center

Você pode ler mais sobre uma iniciativa da Microsoft para lidar com essa divisão aqui .

4. Empregos em um mundo virtual

Também existe um fosso digital em jogo para os adultos – tanto entre países como dentro deles. Os dados sugerem que a proporção de pessoas que trabalham em casa está intimamente ligada à penetração da Internet.

Nota: trabalhadores agrícolas omitidos no gráfico abaixo)

cálculos do autor a partir dos dados do Inquérito Europeu sobre as Condições de Trabalho de 2015 e dos Indicadores de Desenvolvimento Mundial.
Conectividade é a chave .Imagem: UN University, cálculos da Pesquisa Europeia das Condições de Trabalho 2015 e dados dos Indicadores de Desenvolvimento Mundial.

E aqueles com conexões de Internet ruins em casa, mesmo em países com altos níveis de acesso à Internet, acharão difícil lidar com um novo mundo virtual de videoconferência.

Mas, existem outras desigualdades em jogo também.

Trabalhadores com maior escolaridade e qualificação têm maior probabilidade de trabalhar em ocupações onde o trabalho remoto é uma possibilidade, de acordo com uma pesquisa na Holanda.

Trabalho remoto trabalho de casa desigualdade de nível de educação
Lições para aprender.Imagem: Institute of Labor Economics

Como resultado, os trabalhadores menos qualificados estão mais sujeitos a perdas de empregos ou redução de horas.

Um estudo na Alemanha mostrou um padrão semelhante , com aqueles com rendas mais altas tendo mais oportunidades de fazer trabalho remoto.

O economista de Stanford, Nicholas Bloom, acredita que essa tendência está “gerando uma bomba-relógio para a desigualdade”.

Em uma sessão de perguntas e respostas com a universidade, ele explicou o impacto de sua pesquisa sobre o impacto social do trabalho em casa:

Nossos resultados mostram que funcionários mais instruídos e com salários mais altos têm muito mais probabilidade de trabalhar em casa – portanto, eles continuam a receber salários, desenvolver suas habilidades e avançar em suas carreiras. Ao mesmo tempo, aqueles que não podem trabalhar em casa – seja por causa da natureza de seus empregos ou porque não têm espaço adequado ou conexões com a Internet – estão sendo deixados para trás. Eles enfrentarão perspectivas sombrias se suas habilidades e experiência de trabalho se desgastarem durante uma paralisação prolongada e depois.—Nicholas Bloom

Você pode ler essas perguntas e respostas na íntegra aqui .

5. Acessibilidade e deficiência

Muitas pessoas com deficiência foram afetadas de forma desproporcional durante a pandemia.

Pesquisas no Reino Unido mostraram que dois terços das pessoas com deficiência visual sentem que se tornaram menos independentes desde o início do bloqueio.

E, também no Reino Unido, mais de dois terços das mortes de COVID-19 foram de pessoas com deficiência.

Entre aqueles com idade entre 9 e 64 anos, as diferenças relativas entre os deficientes e não deficientes eram maiores
Taxas de mortalidade padronizadas por idade para mortes envolvendo COVID-19, por deficiência e sexo, em pessoas com idade entre 9 e 64 anos, Inglaterra e País de Gales, 2 de março a 15 de maio de 2020.Imagem: Office for National Statistics

A OMS também alertou sobre os riscos que as pessoas com deficiência enfrentam durante a pandemia, incluindo um risco aumentado de desenvolver doenças graves. O distanciamento social também pode ser difícil para esses grupos devido à necessidade de cuidados e apoio adicionais.

Interrupções em serviços essenciais também podem colocar as pessoas em risco.

Mas, isso não é nada novo. A OMS explica que “as pessoas com deficiência apresentam piores resultados de saúde, têm menos acesso à educação e oportunidades de trabalho e têm maior probabilidade de viver na pobreza do que as pessoas sem deficiência”.

Por exemplo, em toda a UE, menos de uma pessoa em cada duas com dificuldades de atividade básica está empregada, de acordo com o Eurostat .

deficiência, trabalho, desigualdade, economia
O desafio enfrentado na Europa.Imagem: Eurostat

E, de maneira significativa no contexto da pandemia, as pessoas com deficiência podem enfrentar barreiras no acesso a serviços essenciais – incluindo saúde. A OMS informa sobre uma pesquisa com pessoas com transtornos mentais graves. Entre 35-50% nos países desenvolvidos e 76-85% nos países em desenvolvimento não receberam nenhum tratamento no ano anterior.

A pandemia e a resposta do COVID-19 trouxeram desigualdades sistêmicas pré-existentes como essas – e a necessidade de combatê-las – em foco.

Em resposta, a plataforma UpLink do Fórum Econômico Mundial lançou o COVID Social Justice Challenge , uma competição para encontrar ideias e soluções que enfrentam as desigualdades e injustiças sociais na resposta e recuperação do COVID.

Por Joe Myers , para Fórum Econômico Mundial.

Mortes por Covid-19 têm mais relação com autônomos, donas de casa e transporte público

Mortes por Covid-19 têm mais relação com autônomos, donas de casa e transporte público | Inteligência Social para o Desenvolvimento Sustentável

Estudo da Unifesp relaciona óbitos a viagens; usuários de carro, empregadores e profissionais liberais têm menores índices

Os distritos com maior número de mortes por coronavírus estão relacionados de maneira mais intensa a locais com maior presença de autônomos, donas de casa e pessoas que usam o transporte público, mostram dados da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

A correlação, por outro lado, é menor nos distritos com maior número de pessoas que usam carro, são empregadores ou profissionais liberais.

Os resultados fazem parte de material em produção pelo Observatório de Conflitos Fundiários do Instituto das Cidades da universidade, no âmbito de uma pesquisa feita sobre desigualdades e vulnerabilidade no contexto de coronavírus, em convênio com a Fundação Tide Setúbal.

Os dados reforçam a percepção de que pessoas mais pobres, que tiveram que continuar se deslocando para o trabalho durante a pandemia, são as maiores vítimas.

Cobrador aguarda passageiros em ônibus na cidade de São Paulo
Cobrador aguarda passageiros em ônibus na cidade de São Paulo. Folhapress/Karime Xavier

O material cruza os dados de mortes nos 96 distritos da capital paulista com os da última pesquisa de Origem e Destino do Metrô (2017), que capta diversas informações das pessoas que se deslocam pela cidade, tais como meios usados, profissão e tempo de viagem. Por meio do cruzamento da pesquisa com os óbitos, é obtido um coeficiente de determinação, que varia de 0 a 1, que mostra o quanto aquelas variáveis explicam esses óbitos.

O número nos distritos onde há uso do transporte público como principal modal em suas viagens é de 0,80. No caso dos trajetos a pé, é de 0,78. Já no caso do automóvel a correlação é muito menor, de 0,39.

Ônibus trafegam por corredor exclusivo em São Paulo
Ônibus trafegam por corredor exclusivo em São Paulo. Folhapress/Karime Xavier

Responsável pelo estudo, o professor do Instituto das Cidades da Unifesp Kazuo Nakano afirma que os dados confirmam a percepção geral de que os mais pobres são a maioria das vítimas. “E de uma maneira bem contundente está acontecendo mais mortes onde você tem maior viagens de transporte coletivo, de ônibus, trem e metrô”, diz.

Segundo ele, no caso no do transporte coletivo, com base no índice, a “quantidade de viagens com transporte coletivo explica 80% a quantidade de óbitos”.

Nakano afirma ter se surpreendido, porém, com as pessoas que fazem viagens à pé, normalmente mais curtas e dentro do próprio bairro onde essas pessoas vivem. “São pessoas que estão na rua, nos bares, estão fazendo compras. Mostra ali que essa convivência no espaço público está acontecendo sem a devida proteção.”

Dos dez distritos da cidade com mais mortes pela doença, nove também lideram no número de viagens por transporte público.

O Grajaú, no extremo sul, é o bairro que mais usa o transporte público (384.770 viagens/dia), e é o terceiro em número de mortes (360). Já Perdizes, bairro de classe média na zona oeste, por exemplo, é o terceiro com maior número de viagens de automóveis e, na lista de mortes, está em 63º entre 96 distritos.

A infecção das pessoas dentro do transporte público é uma das grandes preocupações em relação ao futuro da mobilidade, uma vez que passageiros e, principalmente, funcionários ficam expostos a grandes aglomerações. O setor tem implementado desde isolamento dos motoristas até iniciativas tecnológicas como tecidos que diminuiriam o contágio da doença.

Mortes por Covid-19 têm mais relação com autônomos, donas de casa e transporte público | Inteligência Social para o Desenvolvimento Sustentável

Outra pesquisa, esta da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), relacionou informações do DataSUS sobre as áreas com concentração de moradores que foram hospitalizados por Covid-19 com dados públicos da companhia de transportes São Paulo (SPTrans). A conclusão foi parecida, de que o deslocamento até o trabalho influenciou no contágio na capital.

O material também mostra que, enquanto algumas profissões têm alto índice de relação com as mortes pela doenças, outras são quase totalmente poupadas.

Por exemplo, de um máximo de 1 na relação entre as mortes e a profissão, autônomos —categoria na qual se incluem diaristas e camelôs —atingem 0,79. As donas de casa vêm logo atrás, com 0,78.

Entre os distritos com mais mortes, o Grajaú também é o que tem mais profissionais autônomos, contabilizando-se pelas viagens da pesquisa de Origem e Destino. O Sacomã, também entre os primeiros do ranking de mortes, lidera na população de donas de casa.

Por outro lado, empregadores têm taxa muito menor, de 0,0079. No caso de profissionais liberais, a situação é parecida, com grau de correlação é de 0,0245.

Bairro com mais profissionais liberais na pesquisa do Origem e Destino, a Vila Mariana (área de classe média na zona sul) é o 35º distrito com mais mortes. Perdizes é o distrito com maior número de empregadores e também tem menos mortes.

Segundo Kazuo Nakano, os resultados dessa parte do estudo poderão ser usados por uma equipe multidisciplinar da Unifesp, que também envolve áreas médicas, ciências sociais, farmácia e tecnologia. Também poderão servir para novos cruzamentos com equipes que estão indo a campo verificar o impacto da doença em São Paulo.

Por Artur Rodrigues, para Folha de S.Paulo.

Onde acompanhar os dados sobre COVID19 no Brasil?

Onde acompanhar os dados sobre COVID19 no Brasil? | Inteligência Social para o Desenvolvimento Sustentável

Na última sexta-feira (05/06), o governo federal deixou de divulgar os números acumulados de casos e mortes de covid-19 no Brasil, tanto nos seus boletins diários quanto no site criado para informar sobre a pandemia no país.

A mudança foi muito criticada por cientistas, políticos e integrantes do Judiciário, e repercutiu mal internacionalmente, sendo inclusive mencionada pelo diretor de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, que manifestou preocupação com a situação.

Acusado de ocultar dados, o governo brasileiro negou que esteja dificultando o acesso a informações sobre a pandemia e afirmou que os dados continuam disponíveis em bases públicas.

Segundo o Ministério da Saúde, houve uma alteração na forma de divulgar os casos e mortes, ao passar a levar em consideração a data em que ocorreram de fato e não mais quando foram notificados às autoridades. A pasta disse ainda estar criado uma nova plataforma com números detalhados.

Em reação ao governo, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) decidiu criar seu próprio painel sobre a covid-19 no Brasil, lançado no domingo. Ele se junta a uma série de outros painéis alternativos sobre o coronavírus criados desde o início da pandemia como mostrados a seguir.

São sites feitos em sua maioria por voluntários que querem facilitar o máximo possível o acesso aos dados para que as pessoas se informem e analisem a evolução da doença no país.

Painel Conass Covid-19

Tela do site

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde criou seu próprio painel sobre a pandemia após o governo federal alterar seu site oficial.

O Painel Conass Covid-19 traz o total acumulado de casos e mortes e os números registrados nas últimas 24 horas. Também informa esses dados para os Estados e o Distrito Federal, assim como a taxa de letalidade para cada um deles.

Todas as informações são coletadas diretamente com as secretarias e consolidadas pelo conselho, que promete atualizar o painel diariamente às 18h.

Especial Covid-19/Brasil.io

Tela do site

O projeto Brasil.io, criado pelo desenvolvedor Álvaro Justen para facilitar o acesso a dados públicos no país, reúne desde o início da pandemia as informações sobre a pandemia e as divulga por meio de um painel próprio.

Tudo é coletado diariamente por 40 voluntários junto às Secretarias Estaduais de Saúde.

O site também informa quantos municípios foram afetados até agora, a população somada destas cidades, registros de óbitos do país, além de exibir um mapa e gráficos com estes e outros dados.

O Brasil.io também disponibiliza suas bases de dados publicamente para que qualquer pessoa possa usar essas informações.

MonitoraCovid-19

Tela do site

O site criado pela Fundação Oswaldo Cruz usa em seu painel dados coletados pelo projeto Brasil.io.

Mas vai além ao reunir em um único portal mais informações relacionadas à pandemia que outros painéis dessa lista normalmente não trazem.

Entre eles, gráficos e informações sobre casos de síndrome respiratória aguda grave e de gripe no país, relatórios de municípios sobre suas epidemias, medidas de combate ao coronavírus adotadas por Estado, entre outros dados relevantes.

Covid-19 no Brasil

Tela do site

O painel foi lançado no domingo por um grupo de voluntários que se conheceu ao longo dos últimos três meses de pandemia.

Os oito colaboradores conferem diariamente as informações divulgadas pelas Secretarias de Saúde e as reúnem em uma base de dados, que é disponibilizada publicamente.

As informações podem ser consultadas também em um painel, que traz não só os números de casos, mortes e recuperados, mas também a ocupação de leitos e as taxas de incidência por Estado e de testes no país.

As informações também são divulgadas por meio do Telegram.

Lagom Data

Tela do site

O instituto Lagom Data, criado pelo jornalista de dados Marcelo Soares, fez um painel interativo com uma série de mapas e gráficos sobre covid-19 no Brasil.

O site informa os números totais do país e por município e a taxa de incidência da doença por milhão de habitantes nas capitais e nos Estados.

É possível checar ainda os casos e mortes por região ou ainda em cada gestão de um dos três ministros do governo Bolsonaro até agora.

O site disponibiliza também uma série de referências para contextualizar os dados para quem se interessa em saber mais.

Painel Registral

Tela do site

Os Cartórios de Registro Civil do Brasil têm um painel que exibe em gráficos um histórico do número de registros de óbitos no país em que a causa suspeita ou confirmada foi a covid-19.

É possível filtrar as informações por período, ver os dados de municípios com mais de 50 casos de suspeitas ou confirmados e checar como eles se distribuem por sexo ou faixa etária.

O portal informa que o processo de notificação dos óbitos pode gerar um atraso de até duas semanas para que os dados sejam exibidos pela plataforma, e isso deve ser levado em consideração ao se analisar os índices destes últimas duas semanas.

Fonte: BBC

Pandemia e mobilidade: efeitos do isolamento social no transporte urbano

O coronavírus chegou e com ele veio a necessidade de nos mantermos em casa. A exigência esvaziou as ruas e impactou diretamente o uso do transporte público que viu o seu número de passageiros cair drasticamente. Dados do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) apontam que a redução do uso do transporte público nas principais capitais brasileiras no mês de abril variou entre 50% e 70% em relação ao período que antecede a pandemia. No Rio de Janeiro o sistema de ônibus teve uma redução média no número de passageiros de 70%, fazendo com que as empresas operadoras reduzissem a carga horária de trabalho dos motoristas, bem como os seus salários. Em Porto Alegre, para minimizar o impacto financeiro no transporte público a Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) negociou com a prefeitura a redução da oferta de de viagens de coletivos em 40%, uma vez que a queda no número de passageiros foi de 72%.

Essa situação emite um alerta, dado que mesmo que as medidas restritivas sejam aliviadas, haverá a necessidade de cumprir padrões de distanciamento, o que tendencialmente manterá o número de passageiros médio reduzido por mais tempo. Com a queda da demanda, a pressão pelo aumento do preço das passagens será uma realidade, visto que o custo médio por passageiro será mais alto e assim a concorrência por meios de locomoção individual, que já era um movimento esperado em razão do distanciamento social, terá mais um motivo de existir.

Em algumas cidades do mundo a procura por formas individuais de locomoção já vem acontecendo. Nova Iorque, por exemplo, está vivendo um aumento significativo no número de ciclistas. Em razão da pandemia, o governo da cidade tem estimulado os cidadãos a optar pela locomoção a pé ou via bicicleta. O estimulo foi entendido pelo Departamento Oficial de Transporte de Nova Iorque como um dos responsáveis pelo aumento de 50% no número de ciclistas nas pontes da cidade no mês de março. Já em Milão, o governo chamou a atenção para a necessidade de reduzir o número de carros após o período de lockdown, uma vez que temem que a tentativa de evitar a aglomeração dentro dos transportes públicos aumente consideravelmente o número de carros nas ruas, inviabilizando o funcionamento da cidade, aumentando também a poluição. Para isso, a prefeitura de Milão anunciou que irá priorizar a circulação de pessoas a pé ou via bicicleta através de um projeto que inclui ciclovias temporárias de baixo custo e pavimentos mais largos, aumentando o espaço de ciclismo e de pedestres.

Embora a locomoção por bicicleta seja uma proposta interessante na medida em que oferece maior segurança neste momento de distanciamento social, seu uso impõe algumas condições. Segundo Silveira (2010) o transporte via bicicleta depende, entre outros fatores, das condições climáticas de cada local, das características geográficas das cidades e também da distância a ser percorrida pelos indivíduos. É preciso considerar também que nas grandes cidades há um número significativo de cidadãos vivendo nas periferias, cujo deslocamento via bicicleta é bastante prejudicado por conta da falta de infraestrutura e principalmente pela distância até os postos de trabalho, o que impediria a redução do uso de transporte público em detrimento da bicicleta. Além disso, há também uma questão de segurança, tanto para “estacionar” as bicicletas em local protegido quanto para o ciclista, que deve ter a cidade adaptada para realizar os deslocamentos com as devidas precauções.

Nesse sentido, o deslocamento via automóvel, seja ele com carro particular ou com uso de aplicativos, continuará concorrendo com a bicicleta, visto que exige menos adaptações das cidades e oferece mais conforto aos cidadãos, pois permite deslocamentos de longa distância e independe das condições climáticas. As motocicletas também são alternativas às bicicletas, uma vez que são igualmente seguras no sentido de evitar aglomerações, ágeis, não possuem limitações quanto à distância a ser percorrida e, geralmente, possuem menor custo de aquisição e manutenção comparativamente aos automóveis.

percepção seletiva; discussão em grupo; institutos de pesquisa de mercado; instituto de pesquisa de mercado; conceito de percepção; estratégia de pesquisa; técnicas de pesquisa de mercado; empresa de pesquisa de opinião; pesquisas de mercado; cliente oculto recife; método de pesquisa; metodo pesquisa; metodo consultoria; metodos de pesquisa de mercado; pesquisas qualitativas e quantitativas; metodologias qualitativas e quantitativas; pesquisa de mercado qualitativa; o que é método de pesquisa; empresas de consultoria em recife; ODS; Objetivos de Desenvolvimento Sustentável; Recife; Pernambuco; Indicadores; pesquisa whatsapp; pesquisas eleitorais; pesquisa eleições; desenvolvimento sustentável; oxy pesquisa; Rafael sales; Fernanda meira; Desenho e monitoramento de Indicadores com foco no Desenvolvimento Sustentável; Diagnóstico Conjuntural articulado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS); Mapeamento de Redes de stakeholders; Pesquisas de avaliação político-administrativa; Pesquisas políticas de intenção de voto e eleitoral; Gestão de processos sociais e participativos; Desenho, Articulação, Monitoramento e Avaliação de Projetos Sociais e Políticas Públicas; Articulação institucional e de Diálogos Intersetoriais; Sensibilização, mobilização e engajamento; Capacitação em temas estratégicos; Planos de governo; Pesquisas de Mercado quantitativas (face to face e remotas); Estudos de geografia de mercado (geomarketing); Benchmarking de concorrentes; Recall de marcas e campanhas; Imagem de marcas e corporações; Perfil de consumidores; Satisfação de clientes; Desk research (levantamento de dados secundários); Estudos etnográficos e de observação; Estudos de shopping audit (cliente oculto);

No entanto, incentivar deslocamentos tanto via automóveis quanto por motocicletas pode gerar alguns custos sociais. O excesso de carros nas ruas inviabiliza o funcionamento das cidades, pois provocam grandes congestionamentos, além de impactar diretamente no bem estar dos indivíduos que tendencialmente se tornarão menos produtivos por desperdiçarem muito tempo no trânsito. No caso das motocicletas o congestionamento não configura uma limitação, dadas suas dimensões reduzidas. Porém, segundo o estudo “O custo social da motocicleta no Brasil” a velocidade mais alta com que as motocicletas circulam e os graves acidentes que geralmente ocorrem, causa perigo aos pedestres, ciclistas e usuários. Além da poluição sonora, que é mais acentuada no caso das motocicletas, a poluição do ar também é um fator bastante relevante a se considerar. Nesse caso, ela é provocada tanto pelas motos, quanto por carros.

Para ter uma ideia do impacto desses veículos no meio ambiente basta observar os dados do BID referente ao período inicial de quarentena. Eles registraram no dia 26 de abril uma queda entre 40% e 90% da intensidade do tráfego de veículos nos países da América Latina comparativamente a primeira semana de março. Coincidentemente, a mesma pesquisa indica que em algumas cidades da América Latina com modelo de isolamento lockdown os níveis de concentração de dióxido de nitrogênio (NO² — gás tóxico formado nas reações de combustão dos motores a explosão e na queima de querosene) tiveram queda de até 83%, enquanto que nas cidades com isolamento parcial, como no caso do Rio de Janeiro e São Paulo a queda foi de 22% e 21% respectivamente (dados de 26 de abril comparados aos primeiros dez dias de março). Em Porto Alegre medidores instalados pelo Pacto Alegre em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) indicaram em março uma redução de 22% nas emissões de gases poluentes em comparação com o mês de fevereiro.

O cenário apresentado nos revela que se por um lado a imobilidade que a pandemia impõe constitui uma situação bastante desconfortável, trazendo impactos sociais e econômicos negativos, por outro pode representar uma oportunidade inédita de desenvolver soluções mais eficientes quanto a aspectos relativos à mobilidade de pessoas, ao meio ambiente e a economia. A impossibilidade de nos aglomerarmos nos transportes públicos pressiona os gestores urbanos, de uma vez por todas a pensar em formas de deslocamento tanto acessíveis quanto seguras para a população. Pode ser a chance do transporte via bicicleta se consolidar. A questão da poluição, embora já conhecida antes mesmo da pandemia, parece ter ganhado ainda mais sentido. E em relação à economia, a oportunidade vai além dos ganhos de produtividade dada a redução do tempo gasto no trânsito como também na diminuição do custo de transporte devido às vantagens da maior fluidez e acessibilidade no trânsito.

Contudo, para viabilizar o transporte sustentável como o de bicicletas ou reduzir o tráfego de veículos individuais nas ruas, visto que o transporte público deverá operar com restrições será preciso aproximar os indivíduos de seus postos de trabalho ou manter a política de home office. Aproximar os cidadãos do local de seu trabalho torna mais viável o uso das bicicletas, porém, implica também uma mudança na organização das cidades. A pesquisa de Zahran et al (2008) afirma que o hábito de usar bicicleta decorre tanto do ambiente construído quanto das características naturais existentes no local. O ambiente construído como a proximidade entre origem e destino, o ritmo da expansão residencial, bem como a conectividade local configuram características importantes no deslocamento para o trabalho via bicicleta. Já as características naturais irão interferir na distribuição de transportes sustentáveis, como é o caso da bicicleta. Quanto a manutenção da política de home office, percebe-se uma alternativa bastante interessante em relação a redução do tráfego, pois o tipo de função realizada a distância costuma ser, de modo geral, prestado por funcionários com maior nível educacional e, geralmente, maior renda, sendo estes potenciais usuários de veículos automotores. Se estes trabalhadores se mantiverem em casa o uso de carros ou mesmo de motocicletas poderá cair, amenizando tanto o volume de tráfego quanto a poluição.

De fato, a discussão não é nada trivial. Acontece que a pandemia está trazendo inúmeros desafios e um deles será o de viver uma nova normalidade. Por esse motivo precisaremos nos adaptar, nos reinventar e isso também passa pela escala das cidades.

Por Natália Branco Stein, no Medium.

REFERÊNCIAS:

BID — https://www.iadb.org/en/topics-effectiveness-improving-lives/coronavirus-impact-dashboard

Prefeitura do Rio de Janeiro — https://prefeitura.rio/cidade/coronavirus-crivella-pede-recursos-da-lava-jato-para-complementar-renda-de-motoristas-cobradores-de-onibus-e-mais-operadores-de-transportes/

Prefeitura de Porto Alegre — https://prefeitura.poa.br/eptc/noticias/nova-tabela-dos-onibus-passa-vigorar-apos-negociacao-com-atp

https://pactoalegre.poa.br/noticias/medidas-de-isolamento-reduzem-emissoes-de-gases-em-22-em-porto-alegre

Departamento Oficial de Transporte de Nova Iorque — https://twitter.com/NYC_DOT/status/1237828705835155457

Milão — https://www.theguardian.com/world/2020/apr/21/milan-seeks-to-prevent-post-crisis-return-of-traffic-pollution

SILVEIRA, M. O. Mobilidade sustentável: a bicicleta como um meio de transporte integrado. Programa de Pósgraduação em Engenharia de Transportes, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro — UFRJ. Dissertação de Mestrado, 168 p. Rio de Janeiro — RJ, 2010.

VASCONCELLOS, Eduardo A. O custo social da motocicleta no Brasil. Revista dos Transportes Públicos–ANTP, ano, v. 30, p. 31, 2008.

ZAHRAN, Sammy et al. Cycling and walking: Explaining the spatial distribution of healthy modes of transportation in the United States. Transportation research part D: transport and environment, v. 13, n. 7, p. 462–470, 2008.